quinta-feira, 3 de julho de 2008

A Respiração no Taiji Quan (Tai Chi Chuan)


O oxigénio é um dos elementos básicos de toda a vida e como tal, essencial para todo o ser vivo. No Taiji Quan integra-se no movimento corporal outro movimento, o da respiração, que com ritmo regulado em estreita união com as posturas, cria uma acção global de todo o corpo. Esta combinação fomenta a descontracção muscular (sente-se principalmente nos ombros, cotovelos e cintura) e ao mesmo tempo fomenta um apaziguamento dos pensamentos, tranquilizando e descontraindo a mente.
Em vários estudos realizados especificamente sobre a respiração abdominal (aquela na que intervém o músculo diafragmático), destacou a sua eficácia como terapia profiláctica.
Um pesquisador, o professor de psicologia clínica Dr. Tadashi Nakamura, começou a demonstrar que a relação entre respiração e estados emocionais, é um facto claramente estabelecido. E depois de um estudo estatístico, é um facto que na maioria das pessoas, a função pulmonar chega ao ponto culminante por volta dos vinte anos, reduzindo-se esta a um nível de uma criança de nove anos, por volta dos sessenta.
No entanto, graças a um treino continuado em Taiji e ao uso de uma respiração profunda e harmoniosa, pode ser compensado este declive pulmonar, minimizando os efeitos do envelhecimento. O diafragma, acostumado à inactividade ou a uma actividade mínima, devido ao hábito generalizado de uma respiração clavicular ou alta, com a respiração abdominal começa a entrar em acção, dando como resultado uma estimulação do estômago, fígado, rins e intestinos. O coração e a aorta beneficiam-se por sua vez de uma massagem interna, exercida pela expansão e contracção do músculo diafragmático. A absorção do oxigénio e a eliminação do dióxido de carbono, realiza-se com maior eficácia. Todos estes resultados são produto de uma respiração abdominal profunda, lenta, pausada, fina e tranquila. O ritmo inspiração – pausa – expiração- pausa é controlado da medula, perto do occipício, na união do crânio com as vértebras cervicais. A insistência do Taiji em manter as costas direitas e a cabeça ligeiramente erguida, uma maior harmonia e coordenação da respiração e das suas fases. Também uma boa postura corporal, equilibrada, sem excessos de curvaturas e com uma estabilidade na coluna vertebral, libera a caixa torácica de pressões provocadas por posições incorrectas.
Pode acontecer aparecerem na prática tipos de respiração inadequada, que entorpecem o nosso desenvolvimento no caminho do Taiji: Basicamente, são três:
· A respiração audível: Quando realizamos o concatenamento e o ouvido percebe o ruído da respiração, isto é sinal de uma desestabilização no ritmo entre a respiração e a expiração e entranha uma falta de descontracção e de tranquilidade no conjunto corpo-mente.
· A respiração entrecortada: Ainda quando a respiração não seja audível, mas exista uma obstrução nas vias respiratórias (resfriados, sinusites...), o melhor é adiar a prática até desaparecer a patologia que nos afecta.
· A respiração rápida: Devemos de evitar os momentos de excitação provocados por alimentos ou por circunstâncias emotivas. Nos ditos casos é recomendável esperar por um momento mental mais propício.
A perfeita respiração no Taiji não é audível, nem entrecortada, nem rápida, mas sim continuada, tranquila, apenas perceptível; tão fina que quase não se nota, com uma cadência de ritmo intimamente relacionada com o movimento da postura, ajudando a uma maior avaliação do sentimento na prática. No caso de dar-se alguma das três respirações inadequadas, isso demonstra que a nossa respiração não está bem regulada e se queremos utilizar a nossa atenção para a sua correcção, o pensamento transformar-se-á e será muito difícil sossegá-lo.
Se desejamos a regularização da respiração, devemos seguir três pontos: Concentrar a atenção no ponto Dan Tian (três dedos por debaixo do umbigo) como meio para dissipar os pensamentos e como método para aumentar a nossa percepção sobre o nosso corpo.
Exploraremos todo o nosso corpo com uma visualização, para a eliminação de todos aqueles pontos de tensão muscular; assim conseguiremos um estado como se nadássemos no ar.
Uma vez realizados os dois passos antecedentes, atendermos à acção em si; a maneira como em cada respiração atraímos o ar dentro de nós, até que toca o ponto Dan Tian e vai inchando o abdómen e renovando as nossas energias; passando à expiração, imaginando como expulsamos tudo quanto é impuro e nocivo para a nossa estrutura corporal.
Se nos sujeitamos à consecução de uma respiração perfeita (fina, lenta, pausada, profunda e tranquila) esta ficará devidamente regulada e teremos evitado um estorvo no caminho do Taiji Quan.


Jose Augusto da Silva Costa
Consultor Técnico Internacional de Artes Marciais
Doutorado em Artes Marciais pela Black Belts University
Instrutor Internacional de Karate-Do Shotokan 5º Dan JKA
Licenciado pela The Japan Karate Association - Tóquio
Director Técnico Nacional do Karate Clube de Portugal

Fonte: http://www.taochia.pro.br/artigo06.htm

2 comentários:

Caçadora de Emoções disse...

Muitas pesoas não tem noção que também se aprende a respirar... e que é algo crucial para a nossa saúde!
Obrigada pela partilha deste texto, um pouco longo, mas bastante elucidativo.
Beijos,
Paula

Teresa Conceição disse...

Nós nascemos a saber respirar correctamente mas com o passar dos anos passamos a respirar rapidamente, sem utilizar toda a capacidade dos pulmões.
Com a prática de yoga e tai-chi reaprendemos a respirar correctamente e constatamos a melhoria que isso trás para a nossa saúde, a nível físico e mental.

Bjs
Teresa