quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Fala-nos do conhecimento...


Então, um homem disse-lhe:

Fala-nos do conhecimento de si. E ele respondeu:
Os vossos corações conhecem, no silêncio,os segredos dos dias e das noites.
Mas os vossos ouvidos têm sede de ouvir finalmenteo eco do saber dos vossos corações.
Gostaríeis de saber pelo verboo que sempre soubeste pelo pensamento.
Gostaríeis de sentir com os dedoso corpo nu dos vossos sonhos.
E está certo que assim o queirais.
A fonte oculta da vossa alma deve necessariamente
jorrar e correr a murmurar para o mar;e o tesouro das vossas profundezas infinitas
revelar-se aos vossos olhos.
Mas que não haja balança
que pese o vosso tesouro desconhecido;
e não procureis explorar os abismos do vosso saber
com a vara ou com a sonda,
pois o eu é um mar sem limites e sem medida.
Não digais: "Encontrei a verdade",
mas antes: "Encontrei uma verdade."
Não digais: "Encontrei o caminho da alma."
Mas antes: "Cruzei-me com a alma que seguia pelo meu caminho.
"Pois a alma percorre todos os caminhos.
A alma não caminha sobre uma linha
nem se alonga como uma vara.
A alma abre-se a si própria
como se abre um lótus de inúmeras pétalas.


Khalil Gibran (do livro "O Profeta")

2 comentários:

São disse...

"O Profeta" é um dos mais belos livros que já li...
Feliz domingo, caro António.

Hermínia Nadais disse...

Conhecimento!... Mistério!... Por muito que saibamos saberemos sempre muito pouco, e por muito que nos conheçamos sempre teremos que descobrir.
Gostei muito deste espaço. Voltarei sempre que possa para ver o que há por cá e o que for aparecendo mais.
Tudo de bom,
Hermínia Nadais