sexta-feira, 5 de junho de 2009

Bonecos.



Eis aqui a história do monge Zen Hotan.
Hotan ouvia as preleções de um mestre. Na estréia das palestras, a assistência foi numerosa mas nos dias seguintes, a sala foi ficando cada vez mais vazia. Até que, um dia, Hotan ficou só na sala com o mestre. E estedisse-lhe:
- Não posso fazer uma conferência só para ti; de mais a mais, estou cansado.
Hotan prometeu voltar no outro dia com muita gente. Nesse dia porém voltou só. Não obstante, disse ao mestre:
- Podeis fazer a conferência hoje, porque eu trouxe numerosa companhia!
Hotan trouxera bonequinhas, que espalhara pela sala. Disse-lhe o mestre:
- Mas são apenas bonecas!
- Com efeito, - respondeu-lhe Hotan. - Mas todas as pessoas que aqui vieram não são mais do que bonecas, pois não compreendem patavina dos vossos ensinamentos. Só eu lhes compreendi a profundeza e a verdade. Mesmo que muita gente tivesse vindo, serviria tão-somente de enchimento, decoração, vazio sem fundo.


3 comentários:

Mariz disse...

Salvé dscípulo de Lao Tse - srrsrs

O que eu me ri.....
na verdade a maior parte dos ensinamentos não são sinados a captá-los e percevê-los através da mente e não através da alma...sentindo cada palavra e digerindo-a.

É por isso que numa qualquer ocasião e a tempestade nos assola, nos damos conta do tal "tilim"!!!....sentimos como que um alerta anunciando o perigo - por vezes tarde demais... altura em que as
bonecas caíram das cadeiras.
Mas até é positivo se se aprender com a queda...
maior será a queda, caso não...

Abraço meu
Segue o teu Tao (srsrsr)
Mariz

ESPAVO!

F3lixP disse...

Que dizer? Absolutamente linda essa história e infelizmente aplicável cada vez mais as pessoas que vão enchendo o mundo!
A prova de que mais vale uma multidão de uma pessoa do que a imensidão de vazio humano!

Lembro agora também que alguns dos melhores concertos da minha vida foram de pequena multidão! Quem vai é porque gosta e nada melhor para um artista que sentir que é amado, isso reflecte-se no que liberta!

;)

Mar Arável disse...

Mais de dois

é comício