quinta-feira, 28 de julho de 2011

Tai Chi and the Five Integrities - Cheng Man Ching



by Kenneth van Sickle

The body uses several energies, pneumatic (breath), hydraulic (circulatory), mechanical (muscle & bone), and electromagnetic (nervous system).
Tai Chi, uses these energies in dynamic and subtle ways..
Tai Chi is energy management. Energy needs a channel, if the channel is blocked, the energy will not flow.
The beginning Tai Chi student runs into tensions that stop energy flow, the master watches them do the form and notices these tensions, points them out to the student and suggests ways to slowly get rid of them.
The first priority of the form is to relax, to get rid of tension.
First the gross energy blocks are handled , shoulder tension blocks energy to the arms, hip tension blocks energy to the knee, knee tension to the feet, stomach tension shallows the breath, these and other energy blocks short circuit the system, like an electrical short, or a kink in a hose.
Once a block goes away the energy flows through until it hits the nest one to be worked on.
When all blocks are gone the energy (“Chi” in Chinese) flow freely through the body and then can be managed to produce extra normal energy, to heal or to use as self-defense.
As the student progresses in the form, many things are being addressed simultaneously, alignment, centering, rooting, sensitivity,internal massage and martial awareness all come after the relaxation process has started, they are dependent on relaxation.
The body is gradually ease, pushed by the consideration and will of the student, to align, to find it’s natural position again, to become a functional piece of architecture.

(parte do artigo retirado de: http://chengmanching.net/)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

A nossa "força"...

 
"Estou convencido das minhas próprias limitações - e esta convicção é a minha força."

Mahatama Gandhi

sexta-feira, 15 de julho de 2011

O Ponto Negro


Certo dia, um professor chegou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova-relâmpago.
Todos acertaram suas filas, aguardando assustados o teste que viria.
O professor foi entregando, então, a folha da prova com a parte do texto virada para baixo, como era de costume.
Depois que todos receberam, pediu que desvirassem a folha.
Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro, no meio da folha.
O professor, analisando a expressão de surpresa que todos faziam, disse o seguinte:

- Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.

Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e quase inexplicável tarefa.
Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro, tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.
Terminada a leitura, a sala em silêncio, o professor então começou a explicar:

- Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos nós.
Ninguém na sala falou sobre a folha em branco!
Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em nossas vida. Temos uma folha em branco inteira para observar e aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros. A vida é um presente de Deus dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado.
Temos motivos para comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá o sustento, os milagres que diariamente presenciamos. No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro!
O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um amigo.
Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que recebemos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.


Pense nisso!
Tire os olhos dos pontos negros de sua vida.
Aproveite cada bênção, cada momento que a natureza lhe dá.
Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.
Tenha essa certeza, tranquilize-se e seja .... FELIZ

terça-feira, 12 de julho de 2011

Sem sair da porta



Sem sair da porta
Pode-se conhecer o mundo

Sem ver através da janela
Pode-se conhecer o Caminho do céu
Quanto mais longe saímos
Tanto menos conhecemos

Por isso, o Homem Sagrado

Conhece sem caminhar

Reconhece sem ver

Realiza sem agir

(Tao Te Ching - Lao Tsé)

segunda-feira, 4 de julho de 2011