segunda-feira, 30 de abril de 2012

Memória da alma.

Brahma Kumaris

Quando nos voltamos a ligar à memória mais antiga da alma, o estado de paz, então podemos reestabelecer a paz no nosso mundo interno.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Kicks.

Southern schools of kungfu (including Tai Chi Chuan) do not encourage the using of high kicks. The general rule is kicking must not be higher than the waist so that the kick is hidden from view. Also there is a saying kicking high is risky and exposes to 70% danger.

In life and death fight where there is no margin for ...error this makes sense as kicking high will open-up a big loophole for counter attack. In my illustration, a high kick clearly open-up groin, hip, inner thigh and knee to a low kick counter. This is in no mean undermines the importance of kicking high, I just want to spark another discussion on kicks. Tai Chi 'Dan Tui" can be very effective in street fight. PLease feel free to add your thoughts.

retirado de: Tai Chi Secret Movements (facebook)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Entender.

Quanto melhor entender a situação que está à sua frente, menos desperdiça a sua energia.

Brahma Kumaris

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O Tai Chi é para todos.


“O tai chi chuan é um exercício muito procurado pelas pessoas, pois abrange o corpo todo do indivíduo sem qualquer risco de lesões, promove a oxigenação profunda do organismo, equilibra as emoções da pessoa, estimula o sistema nervoso e ainda permite que as funções mentais se estabilizem e se ampliem”, garante a professora Maria Angela Vieira de Souza Soci, presidente da Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan e Cultura Oriental.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Tui Shou - a importância da sua prática




O Tui Sou (Tui Shou) é uma prática em dupla do Tai Chi Chuan que trabalha aspetos energéticos e marciais. No aspeto marcial, aprendemos a colocar o corpo corretamente posicionado (distância, base, eixo, etc.) para testar, treinar e efetuar os movimentos marciais do Tai Chi Chuan. No aspeto energético, aprendemos a conectar, sentir o outro. A base da prática está em ser relaxado, fluido e contínuo. Não opor força é o principal para quem começa. Podemos ser empurrados num primeiro momento. Mas, não podemos deixar de aprender a desviar ou conduzir a força do outro. Mestre Cheng Mang Ching dizia que se deve fazer tui sou como se fizesse a forma (leve e constante) e fazer a forma como se fizesse tui sou (sentindo o ar com o corpo, escutando as nossas tensões, examinando a estrutura e a base). Assim, praticar tui sou dá ao indivíduo a noção de tensão correta ao praticar a forma. Adquirimos também no tui sou a noção de ceder e ocupar espaço. E, é possível perceber a força do eixo, quando é aplicado uma força. O eixo gira como uma bola e desvia a força. Existem muitas técnicas de treino. E, algumas são características de determinados estilos de Tai Chi Chuan. O importante é notar que os movimentos estão ligados, são fluidos e contínuos.

Retirado de: http://caminhodotaichi.blogspot.pt/2011/05/tui-sou-i.html

terça-feira, 10 de abril de 2012

Olhar em Frente!


Não olhes para trás com vergonha, não olhes do alto com arrogância, nem olhes à tua volta para culpar. Olha apenas em frente, com dignidade.

Brahma Kumaris

terça-feira, 3 de abril de 2012

Activista indiano planta 550 hectares de floresta… sozinho!


Jadav Payeng, um indiano de 47, terá plantado 550 hectares de floresta na região de Jorhat, a 350 quilómetros de Guwahati, onde vive há décadas. Segundo o The Times of India, Payeng, um eremita florestal, não só plantou as árvores como garantiu a sua sobrevivência futura.
Tudo terá começado em 1979 quando Payeng, então com 16 anos, assistiu a uma inundação que matou milhares de cobras e serpentes, devido à falta de floresta para se protegerem.
“As serpentes morreram com o calor, sem qualquer cobertura de árvores. Foi uma carnificina. Alertei o departamento florestal e perguntei-lhes se poderiam plantar algumas árvores naquele local. Eles disseram-me que nada cresceria ali, mas pediram-me para tentar cultivar bambu. Foi penoso mas consegui. Não havia ninguém para me ajudar, ninguém estava interessado”, explicou Payeng ao jornal indiano.
Foi então que o jovem Jadav se refugiou naquele local e começou a criar, sozinho, uma nova floresta. Plantava as sementes à mão, dava água às plantas de manhã e à noite e podava-as quando estas precisavam. Ao fim de anos, tinha cultivado uma enorme reserva natural.
“Depois dos bambus, decidi cultivar árvores a sério. Recolhi-as e plantei-as. Também transportei formigas vermelhas da minha aldeia. As formigas vermelhas mudam as propriedades do solo, foi uma experiência”, recorda Payeng.
Com o passar dos anos, uma grande variedade de flora e fauna apareceu na reserva, incluindo animais em vias de extinção. Curiosamente, o departamento florestal de Assam apenas tomou conhecimento da floresta de Payeng em 2008, 29 anos depois de ele a ter começado a construir.
A desflorestação é um dos grandes problemas da Índia actual, o que tem levado ao aumento da erosão do solo, diminuição da produção agrícola e perda de biodiversidade e vida selvagem.

retirado de: http://www.greensavers.pt/2012/04/03/activista-indiano-planta-550-hectares-de-floresta-sozinho/

Enviado por uma amiga.