quinta-feira, 28 de junho de 2012

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Amor-próprio.

A minha felicidade depende do meu amor-próprio; sou eu que tenho que nutrir um grande amor  por aquilo que sou, sendo capaz de reconhecer as minhas qualidades, de forma a poder transformar as minhas fraquezas.

Brahma Kumaris

segunda-feira, 18 de junho de 2012

O Lápis.


O menino viu a avó a escrever uma carta. A certa altura, perguntou:
- Avó, estás a escrever uma história que aconteceu connosco? E por acaso, é uma história sobre mim?
A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:
- Estou a escrever sobre ti, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou a usar. Gostaria que fosses como ele, quando crescesses.
O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.
- Mas ele é igual a todos os lápis que vi na minha vida!
- Tudo depende do modo como olhas as coisas. Há cinco qualidades nele que, se as conseguires manter, serás sempre uma pessoa em paz com o mundo.
Primeira qualidade: podes fazer grandes coisas, mas não deves esquecer nunca que existe uma Mão que guia os teus passos. Esta mão a que alguns chamam Consciência, sempre te conduz em direcção ao que é correcto.
Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou a escrever e afiar o lápis. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele escreve melhor. É preciso saber suportar algumas dores, porque elas te farão ser uma pessoa melhor.
Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entende que corrigir uma coisa que fizemos, não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça.

Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou a forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, cuida sempre daquilo que acontece dentro de ti.
Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, tudo o que fizeres na vida irá deixar traços, e procura ser consciente de cada acção.

Maria Luisa Albuquerque

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Aprendendo com os erros.

O mestre, conduz seu aprendiz pela floresta. Embora mais velho, caminha com igualdade, enquanto seu aprendiz escorrega e cai a todo instante.
O aprendiz blasfema, levanta-se e cospe no chão traiçoeiro e continua a acompanhar seu mestre.
Depois de longa caminhada, chegaram a um lugar sagrado. Sem parar, o mestre dá meia volta e começa a viagem de volta.
-Você não me ensinou nada hoje- diz o aprendiz, levando mais um tombo.
-Ensinei sim, mas você parece que não aprende – respondeu o mestre – estou tentando  ensinar-te como se lida com os erros da vida.
-E como lidar com eles?
- Como deveria lidar com seus tombos- respondeu o mestre- Em vez de ficar amaldiçoando o lugar onde caiu, devia procurar aquilo que o fez escorregar.

sábado, 9 de junho de 2012

Até à Metade do Céu.


Quando o rei de Wei decidiu construir uma torre que iria chegar até à metade do céu, ele deu uma ordem: 
- Quem tentar  dissuadir-me será condenado à morte!
Xu Wan, um ministro de Wei, procurou-o com um cesto nas costas e uma lança na mão. 
- Senhor, ouvi que está querendo construir uma torre que vai chegar até a metade do céu- disse Xu,- e o seu humilde servo veio-lhe oferecer ajuda. 
- O que de forte tem para me oferecer?-  quis saber o rei. 
- Eu não sou forte -  respondeu Xu- mas eu posso trabalhar no projeto da construção. 
- Sim - disse o rei.
- Senhor, ouvi dizer que a distância entre o céu e a  terra  é de 5 mil li. Como quer construir uma torre que chega até à metade da distância entre a terra e o céu, a torre deve ter 7.500 li de altura. Para suportar essa estrutura os alicerces devem ter a circunferência de 8.000 li – e continuou – Todas as suas terras juntas, senhor, não são suficientes para os alicerces.
Há muito tempo atrás, os reis Yao e Shun estabeleceram ducados com uma circunferência de 5. 000 li.
- Se estiver determinado a construir essa torre, deve primeiro atacar os duques e ficar com as suas terras. Mas, ainda assim, não vai ser suficiente.
- Deve também expulsar várias tribos que vivem nas longínquas regiões ao norte, ao sul, a leste e a oeste. Quando conseguir uma área com o limite de 8.000 li… aí sim… será suficiente para os alicerces.
Quanto à questão do material de construção, trabalhadores e depósitos de comida, tudo isso deve ser calculado… no valor de algumas centenas de milhões.
Fora da área cercada de 8.000 li, uma grande extensão de campos deve ser escolhida para a produção de comida para alimentar os trabalhadores.
Quando todas essas condições para a construção forem preenchidas… o trabalho pode começar!
O rei ficou calado, sem encontrar uma resposta. 
E, por fim,  abandonou a ideia da construção da torre.

Nota: por Xinxu, trad. Márcia Schmaltz e Sérgio Capparelli
retirado de: http://www.capparelli.com.br/contos.php

domingo, 3 de junho de 2012

Respeito e consideração.


A única maneira de obter respeito e consideração dos outros, é tratá-los com respeito e consideração, em primeiro lugar.



Brahma Kumaris