sábado, 27 de dezembro de 2014

2015.


2015 como será? É uma incógnita para todos nós. Todos desejamos e queremos que ele seja melhor do que último ano que passou. É sempre assim que pensamos. Apesar de sabermos que ele vai ter "altos e baixos" como todos os que já passaram. É melhor não pensarmos muito nisso. É melhor deixarmo-nos ir na "corrente" e em cada momento podermos consciencializar o "aqui e agora". Que cada um escolha o seu "caminho" sem ter que atropelar o outro. Que cada um possa contribuir para que este mundo se possa tornar "um pouco melhor" apesar de tudo... Afinal até parece simples não é? Aqui ficam os meus votos... simples como eu desejo que sejam...

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Words of Experience by Tung Ying Chieh.


1.Tai Chi Chuan is an internal martial art exercise. Strength is produced in the bones. Power is reserved at the muscles. It does not require one to have tough skin or thick muscles, but sunken “chi” and strong bones are required. Therefore, learners have no suffering of broken bones and hurt muscles, and the tiredness of jumping, but just move naturally to find the potential of power of origin. It is an exercise to develop the your original power.
2. The three main points: spirit, intention, and posture (likeness of the movement’s names) have to be there.If the posture is correct, then the spirit and intention are there, and you will have good progression. Also, you will feel differently every day. Learners should try to feel the differences intentionally.
3. If the posture is not correct, then spirit and intention are not there. The result will be just like cooking an empty pot, even after many years of practice you will not be successful. There is a tease saying that ten years of Tai Chi Chuan practice is not as good as three years of kung fu. Therefore, for good Tai Chi Chuan practice: first you have to practice diligently; and secondly you need to have good understanding. Also, the result is dependent on your intelligence, but hard practice can help stupidity. So you should always encourage yourself to practice harder.
4. Breathing during practice – to breathe naturally. Do not force your breath deeply. After many times of practice, your Tai Chi Chuan will reach the natural point. By that time, the breath will be balanced automatically.
5. Originally the thirteen movements of Tai Chi Chuan are the guiding methods of “chi”. Guiding means leading the circulation of “chi” and blood. Therefore, when you do a good job of guiding, the “chi” and the blood will have a good balance. All sickness will be gone, but don’t misunderstand the method, and try very hard to obtain that balance. If you practice hard and naturally, you will get it when you reach maturity (when the time comes).
6. Loosen the shoulders and drop the elbows means don’t hold the strength on the shoulders. Don’t try to make the hands heavy, but move smoothly and lightly.
7. Suspend your top (of your head), and hold the bottom (anus). To suspend the top, the head has to be held naturally. If you hold the bottom, the “chi” will come up from there automatically. To withdraw the power, the breast has to be a bit vacant, but don’t hold your breast and bend your back.
8. Every time when you practice the form, there are at least three things you must do. The first one is to relax your muscle. The second one is to adjust your postures. The third one is to concentrate more on intentions and spiritual styles. When you can master all the movements, then the spiritual style will appear when you move. When you reach this stage your improvement will be better and quicker.
9. Feeling and understanding of power – To learn these you have to practice more of the push hands, then you will get the benefits of stick, hold, touch, and follow. If you don’t have a partner, you can always practice the form diligently, and always use two arms to feel the power. Try to imagine that your opponent is attacking you, and the way in which you are using to control him. If you keep on practicing like that for a long time, certainly you will learn the power too.
10. When you are doing push hands, the most important thing is to study the feeling of power, not trying to knock down your opponent. Try not to let your opponent discover your center, and always control your opponent’s center.
11. You can practice Tai Chi Chuan while you are walking, standing, sitting, and laying. The method is to use your mind to circulate the “chi”, and find the feeling. For example: to feel the difference between holding a tea cup with strength, and without strength; to feel the difference of walking with heavy steps, and with light steps. When you are standing still, try to feel the difference of straightening your legs, and bending your legs; one leg, or two legs on the ground.
12. During the early stages of practicing Tai Chi Chuan you might experience sore muscles, but don’t worry, as this will pass and you will feel good later.
13. Basic steps to learning push hands is to know the power. There are many different types of power such as: stick on power, follow on power, internal power, suspending power, rubbing power, tendering power, fastening power, holding power, touching power, and pushing power. As well there are types of power such as penetrating bone power, shaking power, crisp power, sudden power, tenth of an inch power, shooting arrow power, and even power. In general the above powers are learned from the feeling developed during practice. It is harder to learn the power by oneself, but easier with two people, as people are alive. Additionally, you can use your own adjustment and feeling when you are enforcing the power. Of course, all the types of power are learned and discovered from body movements. If you have no partners, you can learn the power from the AIR.
14. The principles of Tai Chi Chuan: The root is on the feet; enforced from the legs; controlled by the waist; and expressed by the fingers. These are the principles of enforcing power: never let the knees come over the toes; never stretch the hands over your nose; never raise over your eyebrows; and don’t press down below the center of the chest. All these are traditional rules. If you break these rules, then the power will not be as good. The variation is controlled by the waist. For example: If you push someone to the left with your right hand sideways, and your hand is over your nose, then the power will not be there. But if you let your left chest withdraw backward a little bit, and turn your waist to the left a little bit, then the power is there again. So this variation is on the chest, and controlled by the waist, and finally shows on you fingers, If the whole body is relaxed and sensitive, then strong power will show on the fingers.
15. People are animals, but with senses. For example: if I hit someone with my fist, the opponent certainly will use hands to block, or move his body to avoid the attack. It is the natural reaction of people, but materials are different. An example of this is a hanging sandbag. It is motionless hanging there. If you punch it, it will move forward and backward. The way it moves is on a fixed route. If you punch it to the left it will move back to the right. It is the reaction of materials. But people are different, the opponent will have various reactions for a punch. Therefore, a boxer has three words: steady, accurate, and fierce. If I don’t have these three qualities, I cannot enforce the power. If I do, then the power has to be powerful. So, how to get steady, accurate, and fierce? First, you have to have sense. So, how does one get sense? Don’t move if the opponent is not moving. If the opponent moves, you follow and finish the movement before he does. So you will have to fight for that second to finish the movement. Then you will be unbeaten.
16. Before learning Tai Chi Chuan, The strength might be dull strength. After learning Tai Chi Chuan the whole body is relaxed, and with good circulation of the “chi” and blood. But you must get rid of all the nervous tension, and keep the original dull strength. Because when you are relaxed, dull strength can be turned into real power. An example of dull strength is what some people call shoulder power, as the strength is held at the shoulder, and is not controlled by the waist and shown on the fingers. Therefore, dull power is the capital. Relaxation is the Method. If you know the method, then even small capital can achieve great success. if you don’t know the method, then even with big capital you cannot be successful. That’s why if you understand the principle of Tai Chi Chuan, it will benefit you for all kinds of sports.

copyright © 1998 Little Mountain Tai Chi Club

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Existo menos quando julgo.


Esta semana conheci a Ana, uma mulher que não tem um dia de folga há quatro meses. Trabalha em três empregos que lhe ocupam todos os dias da semana. De segunda a sexta trabalha das 9 às 6 num escritório. Sai a correr, atravessa a cidade para estar às 7h00 num outro de onde só sai à meia-noite. Todos estes dias chega a casa pela 1 da manhã. Aos sábados e domingos trabalha num call center das 9 às 8 da noite. Contou-me que o seu momento de folga é o sábado à noite porque ao domingo aproveita para tratar da roupa e cozinhar para toda a semana.
Intrigada, perguntei-lhe porquê, imaginando que se encontrava numa situação extrema de aperto financeiro. Contou-me que o faz apenas porque tem tempo. Porque lhe dá prazer ter comprado uma casa e um carro para os quais não necessitou de pedir empréstimos a bancos. Porque gosta daquilo que faz e que raramente se sente cansada.
Ouvi-a com um sorriso enquanto internamente tudo o que me contava parecia inacreditável. Será possível alguém ter este tipo de motivações? Não se dará conta que está a deixar passar ao lado a oportunidade de viver a vida de forma mais completa? Saberá que um dia o seu corpo irá provavelmente apresentar-lhe a fatura de tanta exigência energética? Valerá algum bem material tamanho sacrifício? A sua vida parecia-me tão violenta que não encontrei melhor forma de interagir senão ouvi-la e sorrir.
À medida que o diálogo evoluía, algo se foi reorganizando no meu íntimo. Aos poucos fui-me dando conta do quanto estava a julgá-la em silêncio. Se para ela esta vida resulta, tenho eu o direito de criticá-la por isso? Quem sou eu para rotulá-la ou fazer suposições sobre a sua personalidade baseadas na vida que escolheu?
Lembro-me quando mudei a minha alimentação e abandonei o consumo de carne trabalhava numa conhecida cadeia de televisão. Foi há cerca de 15 anos. Naquela altura quem era vegetariano não tinha muitas escolhas no que diz respeito a comer fora. Por isso todos os dias levava a minha comida de casa. O momento da refeição era frequentemente uma anedota em que todos comentavam as “coisas estranhas” que eu comia. Chamavam-me “miss alpista”. Nesse período aprendi muito sobre a forma como tendemos a julgar os outros apenas pelo facto de serem diferentes de nós.
Neste dia, enquanto ouvia a Ana, dei-me conta que estava a fazer exactamente o mesmo. E não me pareceu que estava a ser justa. Julgar alguém apenas porque as suas escolhas são diferentes das minhas não justifica o julgamento. Esta mulher crê que a felicidade pode estar neste percurso que escolheu percorrer. Assim como eu acredito estar num outro caminho muito diferente. Nenhuma de nós é melhor ou pior. Nenhuma de nós sabe se o seu caminho a vai levar onde mais deseja chegar. Mas ambas estamos a fazer o melhor que sabemos.
Julgar os outros é não só um desperdício de energia. Pode significar perdermos a oportunidade de conhecer alguém que pode ter muito para nos ensinar. Neste campo, a Ana relembrou-me de uma grande lição.
Desafio-vos para um exercício ao longo desta semana: tragam a vossa atenção para o momento presente quando estiverem a interagir com alguém. Procurem se e de que forma estão a julgar a outra pessoa nesse momento.
Por Sílvia Romão

http://chegar.org/existo-menos-quando-julgo/

domingo, 19 de outubro de 2014

Mestre de tai chi chuan completa 40 anos de aulas gratuitas no DF.


O Ano Novo chinês já começou. A festa de comemoração, em Brasília, também foi para o mestre Woo, que há 40 anos pratica o tai chi chuan e repassa os ensinamentos do taoismo à comunidade. O médico Moo Shong Woo, de 83 anos, nasceu em Taiwan, estudou nos Estados Unidos e mudou para o Brasil em 1961. Ele morou em São Paulo e em Minas Gerais e hoje reside em Brasília. É adepto da medicina chinesa e acupunturista. Em 1974, começou a praticar tai chi na Praça da Harmonia Universal, na Asa Norte, e atraiu outros praticantes e seguidores. “É uma cultura milenar de interiorização. Faz bem para a saúde, o corpo e a mente”, disse mestre Woo.
Ele explica que todas as pessoas podem praticar uma vez que ajuda, inclusive, no bem-estar dos enfermos. “Aqui tudo é gratuito, porque o amor de Deus é gratuito. Essa é a minha missão, o ensinamento não só exterior, mas para que a mente e o espírito possam se elevar”.
Associação Being Tao surgiu na década de 1980 a partir das práticas do mestre Woo e propõe um estilo de vida diferente. Segundo o presidente da associação, Antônio Prates, que pratica tai chi há praticamente seis anos, mais que uma associação, é um movimento que adota os princípios do taoísmo, como fraternidade, saúde, paz, harmonia nas relações, e inclui a prática do tai chi chuan e a leitura do livro de Lao-Tsé, Tao Te Ching, considerada a Bíblia do taoísmo.
“A prática consiste em uma meditação, alongamento, auto massagem e exercícios de energia, é uma expressão física de uma visão espiritualizada do mundo, da busca da própria essência e da verdade interior, independentemente de qualquer doutrina, mestre ou filosofia”, explica Prates. As práticas acontecem, diariamente, na Praça da Harmonia Universal, às 6h. De segunda a sábado, as aulas são às 7h30 e, às segundas-feiras e quartas-feiras, às 19h.
Em fevereiro, a associação dará início a uma turma de iniciantes aos domingos, a partir das 8h. Também está na programação, para setembro e outubro deste ano, uma excursão à China, para quem deseja conhecer melhor a cultura e praticar o tai chi. “Faça chuva ou faça sol, horário de verão ou não, todos os dias, às 6h, o mestre Woo está lá. É um mestre em todos os sentidos, conhece muito bem o funcionamento do organismo humano e é de uma generosidade extrema, faz esse trabalho sem visar qualquer recompensa”, disse Prates.
Andressa De Bessa, de 22 anos, estudante de artes visuais, pratica tai chi chuan a cerca de seis meses e sentiu uma grande mudança mental. “Eu era uma pessoa completamente confusa e bagunçada e a prática me equilibra em vários aspectos, nos estudos, na vida social, consegui me organizar melhor. Além da questão do equilíbrio físico, passei a ter mais noção do meu espaço e das pessoas ao meu redor”.
Segundo Aristein Woo, filho do mestre Woo, a prática, que foi pioneira no Brasil, atraiu pessoas de outros estados, entre eles o padre Mira, um jesuíta que se interessava pela cultura oriental. Ele explica que o padre montou núcleos da associação em Florianópolis (SC) e no Japão. “Ao lado do padre Mira, existem casos semelhantes e hoje temos núcleos em Florianópolis, Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), e fora do Brasil, em San Marino e Tóquio”.
Aristein, que também é médico acupunturista, faz parte da Gerência de Práticas Integrativas em Saúde, da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, e conta que, em 2006, a partir da observação do governo local do crescimento da prática e dos benefícios apresentados, fez uma parceria com a associação para que fossem capacitados servidores capazes de oferecer a prática nos centros de saúde. “Fizemos duas capacitações, em 2006 e 2011, e, em 2014, teremos outra turma. Atualmente o tai chi chuan é oferecido em 16 pontos de atenção da secretaria, a maioria centros de saúde, para a comunidade local e pessoas em tratamento.”
Os chineses comemoraram a chegada do Ano Novo nos dias 30 e 31 de janeiro. Pelo calendário, 2014 será o ano do Cavalo de Madeira, um bom período para a saúde financeira. Para todos em geral, o ano do Cavalo trará bons ventos, fartura e sorte.

Retirado de: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-02/mestre-de-tai-chi-chuan-completa-40-anos-de-aulas-gratuitas-no-df)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Aulas de Tai Chi.


Local: Rua da Rosa, 285  (ao Bairro Alto)
Horário: 3ªs feiras das 19,h às 20h
Preço: € 25,00 mensais. 

domingo, 5 de outubro de 2014

A Arte da Paz.


"Contempla os feitos deste mundo, ouve as palavras dos sábios e toma para ti tudo o que é bom. Com esta base, abre a tua porta para a verdade. Não deixes de ver a verdade que está mesmo à tua frente". A Arte da Paz de Morihei Ueshiba

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Um acto de Amor - por Sivia Romão.


Esta semana comecei o meu trabalho como voluntária. A tarefa era servir o jantar a pessoas que vivem na rua ou em situação de grande precariedade.
Como resultado, surgiu uma infinidade de palavras em fila para saírem pelos meus dedos no teclado que podem descrever a minha experiência. Palavras de tristeza, de emoção, de partilha, de solidariedade ou de compaixão. Palavras que contam histórias de vidas inimagináveis e de sobrevivências inacreditáveis.
Todos nós sabemos essas histórias. Já nos ligámos mais que uma vez ao sofrimento humano de forma tão profunda que nos foi possível sentir a dor alheia. E todos nós conhecemos alguém a quem a vida parece ter deixado de sorrir.
Por isso, não vou falar sobre a experiência gratificante que é o trabalho de voluntariado. Também não vou repetir o formato de escrita das histórias de desgraça alheia porque , sendo algo de venda fácil, podemos encontrá-las com facilidade em qualquer meio de comunicação social.
Prefiro falar do meu ego. No universo onde habito ele ainda é o protagonista. Mesmo sabendo que ele é a origem e a conseqüência de todas as minhas lutas internas, não consigo deixar de o valorizar. É esse o ego que caminha orgulhosamente para um serão convencendo-me da minha enorme bondade. Um ego que quer mostrar ao mundo o meu coração caridoso capaz de sair da rotina da sua vida confortável, atravessar a cidade para servir uma refeição a gente que existe na sombra da vida. Um ego que se esquece do trabalho de uma equipa inteira porque me convence de que se eu for suficientemente boazinha serei recompensada com sucesso e com reconhecimento.
No final da noite, depois do último sem abrigo sair o peso deste ego incomodava-me mais que o cansaço. Não me dei por vencida. Enquanto lavava os pratos, permiti que ele se diluísse com a espuma do detergente. Aos poucos deixei de o ouvir para dar ouvidos à voz que me diz que estar ali não tem a menor importância enquanto ser individual. Mas é fundamental para a equipa de trabalho e para os convidados que jantam.
Fui então capaz de sentir que não sou nem mais nem menos do que qualquer uma daquelas pessoas: desde o vereador da câmara à rapariga com marcas de agulha nos braços. Sou exactamente a mesma pessoa que a idosa que se sentou na mesa perto de mim e me sorriu sem esperar que eu sorrisse de volta porque é a isso que ela está habituada. Não sou menos que o homem de olhar vítreo que se colocou provocadoramente à minha frente, esperando que ao tentar afastá-lo eu lhe confirmasse o tão pouco que ele acha que vale. Nem mais que a rapariga sentada de auriculares nos ouvidos porque já não consegue suportar escutar nem mais um julgamento do mundo exterior.
A água suja e o ego poluído fluíam pelo cano abaixo. Uma sensação de alívio instalava-se comodamente no meio do meu cansaço. O que me diferencia deles é apenas o facto de que eu ainda não me esqueci que sou gente. Sei que é algo que me pode acontecer a qualquer momento e levar-me a um de dois extremos: a pobreza ou a ostentação. Qualquer um deles é um perigo porque quantos mais de nós nos esquecermos da nossa própria humanidade, menos pessoas haverão para apoiar os que já passaram essa fronteira.

Por isso descubro que mais importante que ser voluntária é meditar. Para me lembrar do que sou, para colocar o ego no lugar, para ajudar quem quer ser ajudado sem preconceitos nem ideias formatadas. É assim que a meditação se transforma num acto urgente de amor infinito por todos. Por tudo. (retirado de: http://chegar.org/um-acto-de-amor/)

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Como adquirir a verdadeira sabedoria.


Era uma vez um jovem que visitou um grande sábio para lhe perguntar como se deveria viver para adquirir a sabedoria.
O ancião, ao invés de responder, propôs um desafio:
- Encha uma colher de azeite e percorra todos os cantos deste lugar, mas não deixe derramar uma gota sequer.
Após ter concordado, o jovem saiu com a colher na mão, andando a passos pequenos, olhando fixamente para ela e segurando-a com muita firmeza. Ao voltar, orgulhoso por ter conseguido cumprir a tarefa, mostrou a colher ao ancião, que perguntou:
- Você viu as belíssimas árvores que havia no caminho? Sentiu o aroma das maravilhosas flores do jardim? Escutou o canto dos pássaros?

Sem entender muito o porquê disso tudo, o jovem respondeu que não e o ancião disse:
- Assim você nunca encontrará sabedoria na vida; vivendo apenas para cumprir suas obrigações sem usufruir das maravilhas do mundo. Assim nunca será sábio.

Em seguida, pediu para o jovem repetir a tarefa, mas desta vez observando tudo pelo caminho. E lá foi o rapaz com a colher na mão, olhando e se encantando com tudo. Esqueceu da colher e passou a observar as árvores, cheirar as flores e ouvir os pássaros. Ao voltar, o ancião perguntou se ele viu tudo e o jovem extasiado disse que sim. O velho sábio pediu para ver a colher e o jovem percebeu que tinha derramado todo o conteúdo pelo caminho.
Disse-lhe o ancião:
- Assim você nunca encontrará sabedoria na vida; vivendo para as alegrias do mundo sem cumprir suas obrigações. Assim nunca será sábio.

Para alcançar a sabedoria terá que cumprir suas obrigações sem perder a alegria de viver.

Somente assim conhecerá a verdadeira sabedoria.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Amizade Verdadeira.



Neste regresso de férias o meu amigo Ricardo partilhou este video no FB. Sensibilizou-me tanto que não queria deixar de partilhar convosco.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Respeito e consideração.


A única maneira de obter respeito e consideração dos outros, é tratá-los com respeito e consideração, em primeiro lugar.



quarta-feira, 25 de junho de 2014

Tai Chi para todos.


O Tai Chi é um tipo de exercício baseado em movimentos lentos que se assemelham a uma dança. A sua prática lenta e a ausência do uso da força, ajudam a aumentar o bem-estar do corpo e da mente. O Tai Chi é composto por uma série de movimentos circulares, a par de movimentos respiratórios, que vão relaxando o corpo à medida que são efectuados, sem utilização da força física.
A sequência de movimentos apreendida é contínua e circular, o que ajuda a desenvolver um alongamento do corpo que activa a circulação do praticante, para além de relaxar os músculos.
As suas técnicas introduzem novas posturas que abrem uma ordem dentro de nós que ajuda a ultrapassar o círculo do automatismo. Dá-nos uma nova qualidade de atenção profunda, relaxada, sustida e amplia o contacto entre a vontade e o corpo.
O Tai Chi enfatiza o relaxamento completo, que é essencialmente uma forma de meditação; cria um estado de espírito sereno e lúcido a partir do qual se observam e dirigem os movimentos do corpo.
Os seus movimentos são lentos, tranquilos, estéticos, fluidos e ligados entre si sem interrupção, constituindo uma coreografia ou Kata.
Através de uma posição firme e equilibrada a presença interna mantém-se sem tensão, sem gasto desnecessário de energia. Sendo uma forma de experimentar a imobilidade da mobilidade, é uma prática rigorosa e fluida como a água, que se adapta com naturalidade às características de todas as pessoas, nomeadamente às suas condições físicas, psicológicas e ao seu nível etário.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

No Tai Chi nada termina e nada começa; é tudo uma continuidade.


O Tai Chi Chuan é uma arte que surgiu há cerca de três mil anos, na China. Composto pelas palavras tai (grande), chi (energia) e chuan (universo), Tai Chi Chuan significa “trabalhar a grande energia do universo”. Como suas posturas são baseadas em movimentos da natureza, essa prática lembra uma harmoniosa e interessante coreografia.
Praticante dessa arte desde 1983 – quando ainda trabalhava com computação, e era muito stressado, como ele mesmo diz – o instrutor José Douglas Lima conta que o Tai Chi favorece o equilíbrio orgânico, o emocional e o físico, além de desenvolver serenidade, passividade, consciência, atenção e concentração. É uma verdadeira técnica alternativa e preventiva. “A nossa vida é um eterno aprendizado, por isso devemos buscar sempre novas formas de aprendizado. Só que sem grandes pretensões, pois de que adianta ter muita coisa e não ser feliz? O Tai Chi mostra exatamente o contrário: como ficar satisfeito com a simplicidade”.
Para o instrutor, o Tai Chi é uma arte de autodefesa, só que contra inimigos diários, como o trânsito, o trabalho, os problemas de saúde e a tranquilidade mental. “Essa arte”, diz José Douglas, “auxilia na transformação pessoal de cada um; ela pode ajudar desde acabar com o stresse até melhorar alguns problemas de saúde, como dores na coluna”.
Por sinal, recentemente, o Tai Chi começou a ser utilizado em desportos de ponta como volei e ténis, para facilitar a concentração dos atletas.
Segundo Douglas, a arte do Tai Chi pode auxiliar a pessoa a encontrar seu próprio caminho, a descobrir qual é a sua verdadeira identidade. “O Tai Chi é um bálsamo. Ele mexe com o interior a partir do exterior, ou seja, prepara as pessoas para encarar os acontecimentos, e os ensinamentos, que a vida propõe. Afinal, ainda que tenhamos um mestre, somos nós mesmos que teremos de seguir o caminho”.
Ele explica ainda que existem muitos instrutores dessa prática, e que a maioria é bem dedicada, mas é muito importante que a pessoa escolha um com quem tenha afinidade e simpatia. Segundo Douglas, logo de início o praticante já consegue perceber se pode se dar bem com o instrutor escolhido, ou não.
Especializado em Tai Chi Chuan, Chi Kung e meditação, José Douglas conta que qualquer pessoa pode praticar o Tai Chi, pois não existe contra-indicação. No entanto, é necessário que o praticante utilize roupas mais largas, de preferência camiseta e calça de fato de treino ou outra onde se sinta à vontade, que poderão facilitar os movimentos, além de um ténis de sola rasa ou sapatilha.
Os exercícios podem ser feitos em qualquer lugar, desde que a pessoa se sinta à vontade. “No entanto, vale lembrar”, diz o instrutor, “que os benefícios do Tai Chi Chuan são muitos, porém só surgirão por completo depois de anos de prática”.

Retirado de: http://www.revistasextosentido.net/news/cuide-se-tai-chi-chuan/

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Ouvir.


Ascoltando ho imparato molto... Peccato che la maggior parte delle persone non sappia '' sentire '' ...
Eu aprendi muito a ouvir... Pena que a maioria das pessoas não sabe 'ouvir'...

segunda-feira, 14 de abril de 2014

O que aprendi com o Tai Chi e o Chi Kung.


Chamo-me António Matias, sou enfermeiro de profissão e habituei-me a reparar que as pessoas valorizam muito mais a cura das doenças do que a prevenção das mesmas. Como prezo muito a prevenção e a promoção da saúde bem como a forma física procurei uma prática que reunisse determinados requisitos essenciais, nomeadamente que fosse ministrada por um mestre oriental e que pudesse ser praticável ao longo da vida, ou seja, dos 20 aos 100 anos.
O Tai Chi e o Chi Kung são práticas da medicina chinesa e que me são ensinadas pelo Mestre Xuan Wu no Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian e que fazem parte integrante da minha vida há cerca de três anos.
Aprendi  com o  Tai Chi e o Chi Kung que não se se separa o corpo da mente, aliás essas práticas exigem essa absoluta harmonia!
Aprendi que o corpo também tem memória, de tal forma que o corpo memoriza dezenas de posições que não estão no consciente!
Aprendi através da prática conjunta mimética e síncrona, que o grupo nos coloca em harmonia com o todo, ajudando cada um na busca pessoal da perfeição e da consonância com todas as coisas.
Aprendi que o Chi Kung é um excelente analgésico para as dores musculares e articulares, através do relaxamento em movimento do corpo.
Aprendi que o Tai Chi é um desafio permanente para o corpo e para a mente, porque melhora a flexibilidade do corpo e da mente.
Aprendi que o equilíbrio do corpo está no seu relaxamento e conseguindo isso consegue-se relaxar e equilibrar a mente.
Aprendi a conhecer melhor o meu corpo pois o Tai Chi e o Chi Kung apelam à concentração no próprio corpo, desenvolvendo a proprioceção de cada segmento.
Com o Tai Chi e o Chi Kung aprende-se através de um modelo holístico, a desenvolver em harmonia os diferentes níveis do ser humano (os de ordem física, mental, emocional e espiritual).
A prática do Tai Chi e do Chi Kung na busca da harmonia do interno (corpo) com o externo (todo), baseia-se na organização da natureza animal e vegetal.
Um dado importante sobre o Tai Chi e o Chi Kung é que, aparentemente, devido à prática destas modalidades, sinto-me em forma e nunca mais tive gripes ou constipações!

Retirado de: http://caminho-natural.org/

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Chi Kung e Tai Chi: o equilíbrio ao seu alcance.


A própria lentidão dos movimentos, segundo nos explica o professor, é hoje considerada como uma parte importante do treino, a capacidade de "ocupar o corpo" com a nossa mente necessita da lentidão, embora o Tai Chi tenha muitos outros exercícios adicionais mais dirigidos para quem está interessado na prática marcial: "formas a dois, Tui Shou, um tipo de exercício em que ambos os parceiros exploram equilíbrio, força, empurrar e assim por diante, até, e inclusive, trabalho com sacos de boxe, por exemplo." Em suma, cada um pode adaptar a prática de Tai Chi aos seus objetivos e interesses.
Duas práticas, benefícios semelhantes
Estimulam a circulação sanguínea, aumentam a resistência e a forma física, fortificam as articulações, promovem a flexibilidade, descontraem as tensões, reforçam o sistema imunitário, melhoram a postura e o equilíbrio... Estes são apenas alguns dos benefícios destas práticas que, de acordo com Sónia Malaquias, estão comprovados por estudos científicos realizados no Ocidente.

Mas as vantagens vão muito além das meramente físicas: estendem-se ao bem-estar mental e mesmo espiritual. A estimulação da capacidade de concentração e a diminuição da ansiedade através do relaxamento são dois dos ganhos mais evidentes, a par da melhoria da qualidade do sono.
Além disso, "estas artes promovem também o desenvolvimento pessoal, através do aumento do autoconhecimento, indispensável para se continuar a praticar, já que somos confrontados com as nossas próprias dificuldades com o evoluir da prática", refere Sónia Malaquias.
A professora acredita que os benefícios são idênticos para as duas artes e consistem essencialmente no equilíbrio do fluxo de energia, com todas as consequências físicas e psíquicas que daí resultam.


Fontes:

- Sónia Malaquias, praticante e professora de Tai Chi e Chi Kung, vice-presidente da Caminho Natural, psicóloga e psicoterapeuta pelo movimento.
- José Hartvig de Freitas, formado em Medicina Tradicional Chinesa, praticante de Tai Chi e Chi Kung, vice-presidente da Caminho Natural .
- WebMd, Health benefits of Tai Chi and Qigong 

retirado de: 
http://saude.pt.msn.com/vidasaudavel/emforma/item/3521-chi-kung-e-tai-chi-o-equilibrio-ao-seu-alcance/3521-chi-kung-e-tai-chi-o-equilibrio-ao-seu-alcance?start=1&fb_action_ids=429360920531606&fb_action_types=og.likes&fb_ref=.Uz0Hq-iTo3Q.like

segunda-feira, 31 de março de 2014

Tung Ying Chieh And His Words Of Experience.


Tung Ying Chieh (1898-1961) was a well known master of the traditional Yang style of Tai Chi Chuan. He was a top student of the famous 3rd generation Yang Family Tai Chi Chuan master Yang Cheng Fu (1883–1936). Tung Ying Chieh trained with Yang Cheng Fu for more than 17 years, and assisted with Yang with teaching when he went on travels through China
Tung Ying Chieh wrote this essay on important points of the practice of Tai Chi Chuan. Although Tung was a master of the Yang style and the Wu/Hao styles of Tai Chi Chuan, this work is valuable to all students of Tai Chi Chuan no matter the style which they might practice.
This is one of several essays which Tung Ying Chieh wrote and included in his “Red Book”, on Tai Chi Chuan called “Tai Chi Chuan Explained”
Below is an excerpt from the book on the section called “Words of Experience”.
1. Tai Chi Chuan is an internal martial art exercise. Strength is produced in the bones. Power is reserved at the muscles. It does not require one to have tough skin or thick muscles, but sunken “chi” and strong bones are required. Therefore, learners have no suffering of broken bones and hurt muscles, and the tiredness of jumping, but just move naturally to find the potential of power of origin. It is an exercise to develop the your original power.
2. The three main points: spirit, intention, and posture (likeness of the movement’s names) have to be there.If the posture is correct, then the spirit and intention are there, and you will have good progression. Also, you will feel differently every day. Learners should try to feel the differences intentionally.
3. If the posture is not correct, then spirit and intention are not there. The result will be just like cooking an empty pot, even after many years of practice you will not be successful. There is a tease saying that ten years of Tai Chi Chuan practice is not as good as three years of kung fu. Therefore, for good Tai Chi Chuan practice: first you have to practice diligently; and secondly you need to have good understanding. Also, the result is dependent on your intelligence, but hard practice can help stupidity. So you should always encourage yourself to practice harder.
4. Breathing during practice – to breathe naturally. Do not force your breath deeply. After many times of practice, your Tai Chi Chuan will reach the natural point. By that time, the breath will be balanced automatically.
Retirado de:

http://slantedflying.com/tung-ying-chieh-and-his-words-of-experience/

sexta-feira, 7 de março de 2014

Los chakras explicados súperfacil.



Seguro que conoces los chakras, o al menos has oído hablar de ellos, pero cuando le vas a explicar a alguien qué son, te haces un lío, te cuesta decirlo de una forma sencilla; sobre todo al hablar con niños o con gente que no los conoce de nada.
Este vídeo, que es un fragmento de la serie de dibujos animados “Avatar, La Leyenda de Aang” explica de forma sencilla y sin rollos, cómo funcionan, qué bloquea y cómo activar los 7  chakras principales… y ¡en menos de 10 minutos!
Retirado de:
 http://www.mundoconsciente.es/blog/los-chakras-explicados-superfacil/

terça-feira, 4 de março de 2014

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Irritação.(para ler e reflectir)


As duas últimas semanas têm sido generosas em oferecer-me oportunidades de me olhar ao espelho e avaliar a quantidade de caminho que tenho para percorrer até conseguir ter um vislumbre das minhas ambições de desenvolvimento enquanto ser humano. Talvez pelo período de insónias que atravesso ou pela simples preocupação pelo meu presente e futuro profissional, instalou-se em mim uma irritação latente, prestes a manifestar-se à mínima faísca que o mundo me possa colocar à frente. Como o destino é brincalhão e tende a lançar provocações sobre as minhas fraquezas, o resultado tem-se traduzido em  ataques de “mau-feito” seguidos por longos períodos de remorsos.
Na tentativa de me entender de forma mais clara para poder tirar o melhor benefício desta fase, fiz uma lista de pequenos pormenores do dia a dia que facilmente intensificam este estado de efervescência interna e me fazem “saltar a tampa”. Eis algumas:
- Abrir a janela de manhã para constatar que o céu continua cinzento e a chuva continua a cair.
- Pegar no carro e deixar-me enclausurar numa inexplicável fila de trânsito.
- Participar em conversas de circunstância em que cada um de nós está mais preocupado em parecer bem do que em ouvir os outros.
- Ligar o computador, preparada para uma manhã de trabalho e descobrir que o serviço de internet está em baixo.
- Envolver-me em diálogos em que cada um de nós se valoriza pela sua profissão, pelo seu grau académico, pelas horas de trabalho em que nos envolvemos ao longo do dia esquecendo-nos que antes de tudo isso somos algo mais simples, mais válido e mais bonito: seres humanos.
- Ir ao banco e constatar que, sem qualquer aviso ou pedido de autorização, o estado voltou a invadir a minha conta e reclamar uma percentagem de dinheiro do qual nada fez para merecer e que para mim representa muitas horas de trabalho.
- Participar em conversas de amigos em que nos apressamos a atribuir rótulos a terceiros (normalmente ausentes) que frequentemente envolvem o uso de adjectivos como preguiçoso, falso, autoritário, desonesto sem notarmos que esses são também os seus próprios rótulos.
Foi nesta última reflexão que se fez luz! Não é o mundo que me anda a irritar porque a irritação não existe em nada que possa vir dele. Esta sensação inquieta de que algo está a ferver algures entre o meu pescoço e o meu umbigo pertence-me. Ela é o meu rótulo. Por muitas listas que faça, é para mim que devo começar a olhar e, através das oportunidades que se têm cruzado ultimamente na minha vida, aprender mais sobre esta minha característica.
Estando eu irritada ou não, o mundo avança na mesma, na sua passividade sábia de quem já viu muita coisa, pouco ou nada afectado pela minha turbulência interna. Mas a mim, esta irritação dá trabalho. Perturba-me. Irrita-me!
Cabe-me assim resolvê-la para poder de novo apreciar a vida de uma forma mais clara, mais justa com tudo o que de maravilhoso ela tem para me oferecer.
Como? Tenho a sorte de estar em contacto com uma das mais eficientes ferramentas para a promoção da clareza mental e do bem estar interior: a meditação.

A atenção plena na minha irritação integra agora também a minha prática diária, num trabalho desafiante de confronto com os meus defeitos mais mesquinhos e com toda a imperfeição de que sou feita. Porque afinal sou humana e, tendo eu coragem, estou cá para me enfrentar. (http://chegar.org/irritacao/)

Aikido - Morihei Ueshiba - Way of Harmony.


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Tung Yingchieh (1898-1961).



Tung Yingchieh, founder of Tung Style Taichi. Tung Ying Chieh was a student of Yang Chenfu. He was the creator of Tung Style Taichi, and performs his slow set in both pieces of the footage. The first part was filmed in 1950 and the second was filmed in 1945.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Faça sempre...

Faça sempre o melhor que puder e nunca terá motivos para se arrepender, em relação a qualquer aspecto da sua vida. (Brahma Kumaris)

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Da Timidez.


Hoje revelo-vos um dos meus maiores segredos: sou irremediavelmente tímida. Desde muito pequena. Na escola os trabalhos de grupo, as idas ao quadro, o falar para a turma significavam sempre uma angústia contida por me ver obrigada a ser notada.
Na adolescência trocava muitas vezes saídas à noite por serões mais comedidos em que tinha por companhia apenas uma ou duas amigas com quem me sentia à vontade para conversar sobre os dramas existenciais da juventude.
Na família fui muitas vezes pressionada a trocar as minhas tardes literárias de fim de semana por eventos em grupo com gente da minha idade porque me fazia bem sociabilizar. No dia em que me anunciaram que eu iria para um campo de férias no Verão, não dormi durante uma semana a pensar que não iria ter oportunidade de ter tempo para a minha solidão.
Influenciada por uma sociedade que define a espontaneidade, a ousadia, a valorização das relações sociais e a manutenção de uma rede de contactos dinâmica como sinónimo de inteligência ou eficiência, cresci com a sensação de que a timidez é uma fraqueza. Desconfiada que foi muitas vezes a responsável por momentos de baixa auto-estima, comecei a estudar estratégias para a combater. Ou pelo menos, para a disfarçar.
Quando cheguei à idade adulta, determinada a ultrapassar este “defeito”, aprendi a camuflar esta minha tendência solitária. Adoptei a estratégia de, através de atitudes aparentemente espontâneas e extrovertidas, desviar a atenção de mim e conduzi-la para longe. E fi-lo de tal forma bem que quem me conhece dessa fase se ri quando confesso a minha timidez.
Actualmente, embora ainda não totalmente em paz com a minha falta de jeito para estabelecer relações sociais, consigo ver a timidez como uma característica e não como algo que esteja errado comigo. Aceito-a e descubro nela muitos benefícios que não teria se fosse extrovertida. Noto cada vez mais que as dinâmicas sociais acontecem exactamente porque existem tanto tímidos como pessoas que lidam bem com a exposição pública. Pessoas mais viradas para dentro e pessoas mais viradas para fora. E nenhum é pior que o outro.
Descriminar um introvertido é semelhante a uma atitude racista ou homofóbica. Não é um defeito, é uma característica. E, se a aceitarmos, os tímidos serão muito mais felizes e mais capazes de desenvolver o seu enorme potencial.

Foi por isso que ontem, quando ouvi este discurso, foi como se a oradora estivesse a falar de mim. E senti um enorme alívio. Partilho-o convosco, sobretudo com aqueles que, como eu, procuram uma forma de fazer as pazes com a timidez. (Silvia Romão - http://chegar.org/blog/)

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Viver em paz.


"O segredo para viver em paz com todos consiste. na arte de compreender cada um. segundo a sua individualidade."

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

90-Year-Old Performs Tai Chi Chuan.



90-year-old Kang Youzhen is seen in this truly wonderful video performing Tai Chi Chuan. He starts his daily exercise routine by riding a bike to his practice area. Once there, this spry senior citizen then starts his workout with a set of warm-up exercises.
Once Kang Youzhen is sufficiently warmed up, he then begins to perform his set of movements of the Yang style Tai Chi Chuan, followed up with the traditional Yang Tai Chi Sword form. After he is finished his Tai Chi routines, Kang Youzhen then finishes off his daily exercise with a sitting ofmindful meditation.
Please enjoy watching Kang Youzhen going through the sequences of his exercise routine. 

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Presentes.


Se considerar os presentes que recebeu na vida, como algo que lhe foi dado para que zele por eles, dar-lhes-á maior valor e usá-los-á com sabedoria e generosidade.(Brahma Kumaris)

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

This Ancient Martial Art Can Fight Disease, Calm The Mind And Slow Aging.


Americans have no difficulty adopting ancient practices into their health regimens. Take yoga, the ancient mind-body practice and contemporary fitness craze (and $27 billion industry), which continues its prominence in the mainstream -- even after decades of increasing popularity. Many forms of meditation, likewise, have been touted for stress-relieving, health-promoting benefits by prominent leaders in business, media and the arts. And then there's tai chi.
Like yoga, tai chi is a type of moving meditation -- a gentle exercise that focuses on the breath and prioritizes ease of movement-- that comes with a host of health benefits. And, like yoga, there are distinct styles and lineages of tai chi along with more modern and hybrid incarnations.
Many of the tai chi moves tell stories and involve mimicking animals -- featuring names like "Embrace the tiger and return to mountain" and "White crane spreads its wings" -- all performed with relaxed muscles and ease of movement. Through maintaining focus on the breath and physical movements, the practitioner is thought to be able to help to direct the flow of Qi, or life force, in the body.
The practice originated over 2,000 years ago in China as a martial art called T'ai chi ch'uan. It is said to have been created in the Wu Dong Mountains by a Taoist priest, who observed a white crane preying on a snake and then mimicked its actions. Today, tai chi is known as a low-impact exercise popular with older adults and practiced by over 2 million Americans each year. Harvard University has even devoted a research program to studying the health benefits of the ancient Chinese art.
"In this high-tech world that's all about speed, greed and instant gratification, tai chi is the antidote to bring us back to balanced health," Arthur Rosenfeld, tai chi master and author of Tai Chi: The Perfect Exercise, told Reuters.
Here are five reasons why tai chi could very well be the "new" yoga.
It helps prevent and fight disease.

Studies have found that when used to supplement traditional forms of treatment, tai chi can help maintain bone density, reduce pain among arthritis patients, promote heart health, reduce hypertension, and improve quality of life and reduce stress for breast cancer patients, among other health benefits.
"A growing body of carefully conducted research is building a compelling case for tai chi as an adjunct to standard medical treatment for the prevention and rehabilitation of many conditions commonly associated with age," Peter M. Wayne, Harvard Medical School professor and director of the Tai Chi and Mind-Body Research Program, told Harvard Health Publications.
It's as beneficial for the mind as it is for the body.
n addition to relieving stress, tai chi is also scientifically proven to help fight depression among the elderly.
In tai chi, the focus of the mind is on the breath and the physical sensations in the body, which can help to still racing thoughts and increase body awareness. These meditative aspects of the practice help to bring the practitioner many of the same cognitive benefits of traditional seated meditation, including an increased sense of awareness, calm and well-being.
Tai chi may also help to boost well-being by improving both the length and quality of practitioner's sleep. A 2008 UCLA study found that practicing tai chi chih, one particular variation of the practice, was effective in improving moderate sleep complaints among older adults. It also reduced drowisness and inability to concentrate during the day.
It can help you age gracefully.
Tai chi can help improve flexibility and promote a health range of motion in older adults, while also building muscle strength. What's more, women at risk for or suffering from osteoporosis should take note that research has found tai chi to be effective in increasing mineral bone density.
Tai chi could also be one of the most effective methods of promoting good balance and preventing falls in older adults, according to WebMD. Research from the National Institute on Aging found that tai chi reduced fear of falls and risk of falling among older adults.
It can teach you how to slow down -- and how to let go.
The term tai chi itself indicates the harmonious union of opposing forces -- and it's all about going with the flow and moving fluidly within your own physical limitations.
In tai chi, "the objective is not to over-exert or strain one's natural state, but to achieve unity with one's essential nature, thereby releasing the body's intrinsic energies," writes Simmone Kuo in Long Life, Good Health Through Tai-Chi Chuan.
It's accessible to almost anyone.
Tai chi isn't just for older folks. Yes, it's low impact, but anyone can enjoy the numerous health benefits of the practice. Even those who are in poor health can begin a tai chi practice and potentially improve their physical condition.
The practice can even be adapted for those in wheelchairs or recovering from surgery,according to Harvard Medical School experts, and it has been shown to improve balance and motor control among individuals with Parkinson's Disease.

Retirado de: